04 abril 2018

Tomada de Posição Sobre resultados do Programa de Apoio Sustentado da DGArtes

Foram recentemente tornados públicos os resultados do Programa de Apoio Sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes).

De Montemor-o-Novo, candidataram-se O Espaço do Tempo, as Oficinas do Convento, a Alma d´Arame, o Projeto Ruinas – estruturas que viram aprovadas as suas candidaturas embora com valores aquém do projetado - e a Algures – Coletivo de Criação, cuja candidatura foi elegível, mas não foi atribuída verba.

Estes resultados revelam, a par dos resultados dramáticos e profundamente discriminatórios de uma serie de estruturas a nível nacional, uma linha de liquidação e de desinvestimento com consequências graves para as estruturas de criação artística da região Alentejo, nomeadamente do distrito de Évora.

De referir particular indignação pela exclusão das três companhias da cidade de Évora, que ficaram sem quaisquer apoios estatais na área do teatro, algumas com dezenas de anos de trabalho e de criação artística

É claro que o Alentejo é uma região duplamente discriminada, pois é colocada a concorrer nas mesmas circunstâncias que outras regiões do país, sem que seja tida em conta a realidade no que toca à densidade populacional e as condições próprias do território.

Os resultados deste concurso vêm criar grandes dificuldades às estruturas de criação artística ao recusar financiamento e apoios essenciais para manter a sua atividade em prol das populações e do desenvolvimento do Pais e de cada Concelho.

A Câmara Municipal de Montemor-o-Novo está solidária com todas as estruturas artísticas e apela ao Governo para que acautele e evite o fecho de portas e reveja o modelo de financiamento para garantir que estas estruturas possam ter o apoio do Estado que é necessário para manterem a sua atividade e assegurarem o serviço público às populações do Alentejo.

 

Aprovada por Unanimidade em Reunião de Câmara realizada no dia 4 de abril de 2018