Rede Social

Rede Social  

 

A Rede Social resulta da Resolução do Conselho de Ministros de 197/97, de 18 de novembro, sendo posteriormente regulamentada pelo Decreto-Lei 115/2006, de 14 de junho.

 

Entendida como fórum de articulação e concertação de respostas, a Rede Social tem como finalidade impulsionar o trabalho de parceria alargada, incindindo na planificação estratégica da intervenção social local envolvendo diversos atores sociais, procurando contribuir para a erradicação da pobreza e da exclusão social e, logo, para o desenvolvimento social local.

 

A rede social deve ser entendida como um modelo dinâmico de organização e de trabalho em parceria que incutirá maior eficácia e eficiência às respostas sociais e celeridade na resolução dos problemas concretos dos cidadãos e das famílias.


Objetivos estratégicos da Rede Social:

 

Fomentar uma rede de parcerias dinâmica entre entidades públicas e entidades privadas que promova a efetiva articulação entre os diferentes atores sociais locais;

 

Promover o planeamento estratégico da intervenção social local, assente na concertação local da respostas e na rentabilização dos recursos existentes.

 

Objetivos específicos da Rede Social:

 

Desenvolver ações de combate à pobreza e à exclusão social, promovendo a inclusão e coesão sociais;

 

Promover o desenvolvimento social integrado, através do planeamento integrado e sistemático, potenciando sinergias, competências e recursos;

 

Garantir uma maior eficácia e uma melhor cobertura do conjunto de respostas e equipamentos sociais ao nível local;

 

Criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros e a população em geral.

 

Princípios de atuação:

 

Princípio da subsidiariedade – tomada de decisões junto das populações e territorialização dos recursos e competências;

 

Princípio da integração – desenvolvimento de projetos locais de desenvolvimento integrado através da congregação dos recursos da comunidade;

 

Princípio da articulação – trabalho de parceria articulado entre os diversos agentes com atividade no território, tendo por base a cooperação e a partilha de responsabilidades;

 

Princípio da participação – envolvimento de todos os atores sociais e da população;

 

Princípio da inovação – mudança de atitudes e cultura institucional e a aquisição de novos saberes, inovando os processos de trabalho, as práticas e os modelos de intervenção mediante aquilo que são as novas problemáticas e as alterações sociais;

 

Princípio da igualdade.

 

CLAS


CLAS – O Conselho Local de Ação Social de Montemor-o-Novo é composto por 44 entidades conforme listagem abaixo. Funciona em Plenário e é presidido pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Novo – João Miguel Amaro Marques.

 

Tem como principais competências:


Fomentar a articulação entre os organismos públicos e entidades privadas, visando uma atuação concertada na prevenção e resolução dos problemas locais de exclusão social;

 

Promover e garantir a realização participada do diagnóstico social, do plano de desenvolvimento social e do respetivo plano de ação anual;

 

Promover a participação dos parceiros e facultar toda a informação necessária para a correta atualização do sistema de informação nacional a disponibilizar pelo ISS, IP;

 

Avocar e deliberar sobre qualquer parecer emitido pelo Núcleo Executivo;

 

Realizar ações de informação e formação e outras iniciativas que visem uma melhor consciência coletiva dos problemas sociais.

 

Fazem parte do CLAS de Montemor-o-Novo :


Agrupamento de Escolas Nº 1 de Montemor-o-Novo

Associação 29 de Abril

Associação das Obras Assistenciais de São Vicente de Paulo – Jardim dos Sentidos

Associação de Amigos Unidos pelo Escoural

Associação de Protecção Social à População de Santiago do Escoural

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Ciborro

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Cortiçadas de Lavre

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Fazendas do Cortiço

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Foros de Vale Figueira

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Futuro de Lavre

Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Montemor-o-Novo

Associação de Solidariedade Social de Silveiras

Associação dos Bombeiros Voluntários de Montemor-o-Novo

Associação Protectora Abrigo Velhos Trabalhadores    

Associação Terras Dentro

Centro Distrital de Segurança Social de Évora

Coordenadora do Núcleo Local de Inserção de Montemor-o-Novo

Câmara Municipal de Montemor-o-Novo

Centro Hípico D. Duarte/ Escola de Equitação

Centro Social e Paroquial de Stº António – Lavre

Centro Social e Paroquial do Ciborro

Centro Social e Paroquial de São Cristóvão

CERCIMOR

Comissão de Reformados de Santa Sofia - Nª Sr.ª da Vila

Comunidade Sócio Terapêutica “ Casa João Cidade”

Cooperativa Traquinas Índios e Sábios

Guarda Nacional Republicana

Hospital de S. João de Deus

Junta de Freguesia de Cabrela

Junta de Freguesia de Foros de Vale Figueira

Junta de Freguesia de S. Cristóvão

Junta de Freguesia de Santiago do Escoural

Marca – Associação de Desenvolvimento Local

Movimento Democrático de Mulheres

Monte – Desenvolvimento Alentejo Central, A.C.E

O Girassol – Associação de Protecção Social à População de São Geraldo

“O Sobreiro” Associação de Protecção Social à População de Cortiçadas de Lavre

Porta Mágica

Santa Casa da Misericórdia de Cabrela

Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Novo

Serviço de Emprego de Montemor-o-Novo

Trilho - Associação para o Desenvolvimento Rural

Unidade de Cuidados na Comunidade de Monte Mor

União das Freguesias do Bispo, Vila e Silveiras

União das Freguesias de Cortiçadas de Lavre e Lavre

 

Fazem parte do Núcleo Executivo do CLAS de Montemor-o-Novo:

 

Agrupamento de Escolas de Montemor-o-Novo

Associação Terras Dentro

Câmara Municipal de Montemor-o-Novo

Centro de Saúde de Montemor-o-Novo

Cercimor

Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Novo

Serviço Local da Segurança Social

 

Legislação


Resolução do Conselho de Ministros n.º 197-97

Decreto-Lei n.º 115-2006 de 14 de Junho