Património

Montemor foi desde há milénios palco de encontro e testemunho de culturas. O homem do Paleolítico passou pelo Escoural e aproveitou a gruta para ali deixar expressa através de pinturas e gravuras aspetos do seu quotidiano.

Alguns milhares de anos mais tarde, no neolítico e no calcolítico, comunidades de pastores e agricultores estabeleceram-se no território marcando a paisagem através da construção de grandes antas, menires e cromeleques de que o concelho de Montemor é especialmente rico.

Também os romanos e os árabes por aqui passaram deixando vestígios mais ténues mas ainda assim marcantes.

Foi contudo já em plena Idade Média que Montemor se afirmou como território autónomo. Em 1203 recebeu o primeiro foral de D. Sancho I, demarcando-se definitivamente do território de Évora de que estava dependente. A vila, à época localizada no interior das muralhas do castelo, foi-se desenvolvendo e atingiu o seu apogeu no século XV e inícios do XVI, altura em que recebia as cortes gerais do reino por diversas vezes e o rei aqui passava temporadas. Este apogeu refletiu-se sobretudo a nível monumental com a construção e remodelação na cidade e no concelho de igrejas, conventos e outros edifícios que, em grande parte, ainda hoje podem ser observados.

Nos últimos anos a câmara Municipal tem feito um esforço considerável no sentido de conhecer, inventariar, estudar e salvaguardar todo este património, permitindo às futuras gerações usufruir desta importante herança cultural.

Para mais informação:

www.morbase.com